TONTURAS PODEM SER SINAL DE ALERTA PARA DOENÇAS GRAVES

Provavelmente, alguma vez você já se sentiu tonto ao sentar ou ficar de pé bruscamente — principalmente se isso aconteceu num dia de muito calor. Episódios momentâneos de tontura são comuns e normais, mas há situações em que o sintoma pode ser um sinal de alerta para algo mais grave. Por isso, é importante procurar um médico, se a instabilidade se tornar frequente.

— Tonturas são a terceira queixa mais comum em consultórios e ambulatórios. Só perdem para dor e febre — diz o clínico geral Marco Aurélio Chame, da Clínica Médica do Hospital São Francisco na Providência de Deus.

De acordo com o especialista, tontura é um termo vago, que pode se referir a sensações de atordoamento, cabeça leve, instabilidade, queda iminente, flutuação e impossibilidade de andar em linha reta (desvio da marcha).

— A tontura é a sensação de alteração do equilíbrio corporal, sem caráter rotatório. Já a vertigem é um tipo de tontura, com a impressão de que o corpo ou os objetos ao redor estão girando — esclarece a neurologista Carla Jevoux, da Clínica da Dor de Cabeça do Rio de Janeiro.

O equilíbrio é mantido por três órgãos: olhos, labirinto (parte da orelha interna) e cerebelo (região do cérebro que permite a propiopercepção, ou seja, a percepção do organismo em relação ao espaço). Alterações em qualquer um desses sistemas podem causar tonturas. Vertigens são características de doenças no labirinto.

Detalhamento dos sintomas ajuda o médico

De acordo com o otorrinolaringologista Pedro Luiz Mangabeira Albernaz, do Hospital Israelita Albert Einstein, sentar ou levantar rapidamente pode fazer com que o organismo demore a fazer ajustes na circulação sanguínea, necessários devido à gravidade. Com isso, o cérebro fica com vascularização insuficiente por alguns instantes.

— Algumas tonturas levam tempo para se repetir. Outras são socialmente incapacitantes e podem causar acidentes.

Prestar atenção aos sintomas e relatá-los para o médico é fundamental para o diagnóstico, o tratamento e a prevenção.

— Informações sobre o que desencadeia a tontura, se tem algo que a pare, frequência das crises e duração são essenciais — diz Chame.

Segundo Carla Jevoux, o primeiro procedimento para o diagnóstico é submeter o paciente a exame de sangue com pesquisa de hormônios, gordura e glicose. A investigação da coluna cervical e de enxaquecas também é necessária. Para a oftalmologista Keila Carvalho, secretária-geral do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, crianças com tonturas não devem fazer exames neurológicos complexos, como ressonância magnética, sem antes consultar um oftalmologista.

Saiba mais

Tonturas afetam mais o sexo feminino: são duas mulheres para cada homem atingido. As crises podem ocorrer desde a infância até a terceira idade, sendo mais comuns entre 40 e 80 anos. Tonturas associadas a zumbidos aumentam a partir dos 75 anos.

Quem passa muito tempo navegando pode sentir tonturas ao pisar em terra firme. Trata-se do "mal do desembarque": como o corpo se acostumou ao balanço do mar, ele precisa de um tempo para o sistema nervoso central readaptar o equilíbrio.

Tumores na cabeça e doenças degenerativas, como Parkinson e esclerose múltipla, também podem provocar tonturas, assim como problemas vasculares que diminuem o aporte sanguíneo para o cérebro.

A baixa quantidade de líquido no organismo reduz o volume de sangue circulante, o que pode prejudicar a oxigenação do cérebro e causar tontura.

Problemas emocionais, ansiedade e síndrome do pânico desencadeiam situações que podem comprometer o labirinto, o cerebelo ou o sistema visual, trazendo instabilidade.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.