provasQuando soube que não poderia fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) no início de novembro, a estudante Jennifer Fernandes, 20 anos, se decepcionou. “Eu me preparei com minhas amigas ao longo do ano, todo mundo junto, então a princípio eu não gostei muito, queria fazer na mesma data que elas”. Agora, quando se prepara para realizar a prova no próximo sábado e domingo (3 e 4), a candidata ao curso de Medicina já pensa diferente. Jennifer acredita que seria pega de surpresa com alguns conteúdos e comemora os 29 dias que ganhou de estudos. “Eu peguei a prova de 2016 e vi que houve algumas mudanças de perfil, de assuntos que não estavam caindo. A prova de ciências da natureza por exemplo estava mais difícil, Também vi mais coisas de História, então passei a me preparar mais”, conta a estudante, que realiza pela quarta vez a prova. O adiamento do exame na Bahia afetou 31 municípios, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O órgão precisou providenciar na Bahia 63 locais de prova com 1.028 salas de aplicações. Desde a semana passada, estão disponíveis on-line os novos cartões de confirmação com a informação sobre o local de prova (http://enem.inep.gov.br/participante/).
A mudança na data de aplicação ocorreu por conta da ocupação estudantil de unidades de ensino contra a chamada PEC do Teto, aprovada em primeiro turno no Senado Federal na terça-feira (29). No caso de Jennifer – que estuda no cursinho Gregor Mendel em Feira de Santana, mas realiza a prova em Amargosa – a ocupação de um dos campus da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) foi o que interferiu. “Eu sou completamente contra a PEC e por isso apoio a ocupação, mas ainda assim acho que interferir no Enem é demais, poderiam ter desocupado para as provas”, opina. A Bahia é o terceiro estado com o maior número de inscritos que farão no próximo final de semana, com um total de 37.927 candidatos. Na frente da Bahia estão Minas Gerais, com 72.302 pessoas e Paraná 43.617. No Acre, Amazonas, Amapá e Roraima não haverá segunda aplicação. (Fonte: Correio)