PATROCINADORES

segunda-feira, 19 de março de 2012

Advogada Evangélica Desiste de Entra na Vara


ADVOGADA EVANGÉLICA DESISTE DE ENTRAR NA VARA


    Pedido inusitado de uma advogada do Rio de Janeiro. Antes que alguém ache que é uma das lendas da internet, basta entrar no site da OAB/RJ e digitar o numero de inscrição registrado na petição.


“Exmº. Sr. Dr. juiz da 16ª. Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.
Jocilene Couto Nascimento, advogada do reclamante Valeria Gomes Pliger da Silva, vem, ante a presença de V. Exª., informar que, de uma forma ou de outra, resolveu renunciar aos poderes doados pelo autor na folha da procuração. Que a presente renúncia tem motivos justificadores suficientes, trazendo desânimo até a alma; senão, vejamos agora:
1 – A ilustre advogada renunciante é considerada pela maioria a maior advogada de Duque de Caxias (RJ), a mais brilhante, pois sou competente, conheço muito o direito, o errado e o certo. Minha insatisfação é originária da mudança no nome de ‘Justiça do Trabalho’. Antes, chamava-se JCJ (Junta de Conciliação e Julgamento), e agora passou a chamar-se “Vara”. Esta nova denominação me trouxe e me traz diariamente imensos e grandes constrangimentos.
2 – Antes, para vir fazer audiências ou acompanhar processos eu entrava na Junta, e agora sou obrigada a dizer “estou entrando na Vara”, “fui à Vara”, “fiquei esperando sentada na Vara”. Não concordo. Sou mulher, evangélica, não gosto de gracejos. Deixo a ‘Vara’ para quem gosta de ‘Vara’: funcionários ‘varejistas’, homossexuais, que tem muito, fiquem na ‘Vara’, permaneçam na ‘Vara’, trabalhem com ‘Vara’. Saio desgostosa por não concordar com termo pornográfico, vara pra lá, vara pra cá…

Em tempo – Outro dia, estava entrando no prédio da Justiça do Trabalho e o meu telefone celular tocou. Era meu marido. Ele perguntou: “onde você está”? E olha só o constrangimento da minha resposta:

“Entrando na décima Vara”.

Assim, comunico minha renúncia. Já comuniquei verbalmente a meu ex-cliente, tudo na forma da lei.

Assim posto,
Peço e aguardo deferimento.
S. J. de Meriti p/Rio de Janeiro, 05-05-2002.
Jocilene Couto Nascimento
Advogada – OAB-RJ 83.191″

Nenhum comentário:

Postar um comentário